A Santidade não é possível em 2020!
Arte e Cultura, Eu Sou Cultura

A Santidade não é possível em 2020!

By

Pregar a santidade, em pleno século XXI? Já estamos na terceira década desse século e ainda existe um povo aí, que se denomina católico e que vive pregando que é possível ser santo. Mas isso é utópico, é muito difícil, se não for impossível.

Esse povo é maluco, porque esse negócio de ser santo é coisa de antigamente quando as coisas eram mais fáceis e a vida, mais simples. Santos foram essas figuras de um tempo atrás que estão pintadas nas igrejas, hoje não, hoje a santidade não é possível, e se alguém tem te dito isso, essa pessoa está mentindo.

 

Quem está mentido sobre a santidade?

Parece que não, mas é só olhar um pouquinho para os nossos pensamentos e vamos perceber que muitas vezes nós católicos assumimos algum desses argumentos ou tantos outros para justificar a nossa falta de vontade de lutar para ser santo. E às vezes isso acontece porque não entendemos o que é a santidade e achamos que quem já tem o nome escrito na história como santo era mais capaz do que nós. O que não é verdade.

Vamos imaginar que a vida é um jogo e que o desenvolvedor do game determinou que o objetivo mais hard desse jogo é conquistar um palácio, mas você pode fazer outras coisas enquanto joga que não necessariamente te levarão ao palácio.

Quando você entra, já existem bilhões de jogadores, alguns que já conquistaram o objetivo, outros que estão perto disso, outros que não parecerem interessados no objetivo e você se vê distante desse palácio.

Então, para conseguir chegar lá, você começa a procurar equipamentos, armas melhores, faz alianças, gasta tempo treinando, vai dormir mais tarde para poder jogar, às vezes erra e acaba percebendo que fez algo que te deixou mais longe do palácio e aí precisa parar e pedir ajudar para conseguir voltar a avançar, até que depois de muita luta você consegue conquistar o objetivo e zerar o jogo.

 

Mas o que é a santidade?

A santidade não é muito mais que isso. É uma luta diária para alcançar o objetivo de Deus para cada um de nós quando ele decidiu nos dar a vida. Um santo não aparece do nada, o nome disso é ninja. Santo é aquele que percebe que é amado por Deus, enxerga que o seu amor por Deus é infinitamente menor e miserável e decide se esforçar para não ofender ao Senhor e amá-lo diretamente, em si e no outro e faz isso até o sangue.

O extraordinário aqui, é que a santidade apesar de contar com o esforço, é Graça. Ou seja, é o Senhor quem concede aos seus serem santos. Como tudo em nossa relação com ele, o caminho de santidade tem sempre o primeiro passo de Deus (Graça) e o nosso (esforço) como resposta.

E notável que decidir-se por não ofender e amar a Deus não significa que você não irá pecar de novo, isso começa a acontecer apenas lá pela quarta ou quinta morada. A nossa natureza é machucada pelo pecado original, mas nós sempre podemos melhorar o quão ruim nós somos hoje, e depois melhorar naquilo de ruim que faremos amanhã, e com isso conseguir cada vez mais nos aproximarmos da santidade.

 

A santidade como processo.

O processo para ser santo é contínuo, e sempre foi assim. Pense em um santo de devoção, ou algum que você ouviu o nome. Esse cara ou essa mulher não era diferente de você, ele(a) tinha dor, sentia medo, tinha sonhos, sorria, chorava, mas ele(a) decidiu que queria e podia ir além e fez esse mesmo caminho, levantando todos os dias pedindo e lutando para fazer a vontade de Deus.

Deus não escolhe alguns para serem santos. Ele chama a Igreja, mas nem todos têm a coragem de bancar esse esforço. O Senhor também te convida e se dispõe estar contigo durante todo esse processo, só depende de você aceitar ou não. Que tal dar essa reposta na sua oração de hoje? Você é capaz de provar que quem mente sobre a santidade são aqueles que a negam, pois a santidade é possível sim!

 

Você vem comigo nessa luta em 2020?

Se sim, tamo junto!

 

 

Ouça o 70xCast, o Podcast oficial da CACL

 

Assinatura: Danyel Cayetano, brother adotivo e discípulo de Jesus, crítico cultural renomado (por mim mesmo). Se for para bater uma bola, conversar, rezar, assistir algo, comer ou combinar alguns desses itens, pode me chamar que eu chego com os refri! #EuSouCultura

cristolibertador.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.