Sombra de homem que está de pé olhando para os fogos estourando no céu (em destaque)
Arte e Cultura, Eu Sou Cultura

Qual é a boa, jovem? 2020 tá aí!

By

Você já parou para pensar qual vai ser a boa no próximo ano? Chorão dizia em uma das suas músicas que o “jovem no brasil nunca é levado à sério”, mas eu creio que muita coisa mudou desde que essa letra foi composta e o jovem no Brasil, na Igreja, no mercado de trabalho e em outros lugares vem tendo cada vez mais voz.

Mas o que a gente tem feito com esse direito que estamos recebendo? O que vamos fazer? Se é pra gente ser levado à sério, primeiro nós temos que nos levarmos a sério, demorô?

A zueira é dahora, todo mundo quer curtir e não é porque somos católicos, que somos diferentes, não é disso que eu tô falando. Mas existe a santa zueira e a zueira do capeta e você sabe diferenciar as duas, não sabe? A santa zueira deixa a vida mais divertida e leve, a do capeta deixa ela vazia, tem cara de felicidade, mas é recheada de tristeza.

 

A Boa é ser ligeiro!

Temos que ser ligeiros! Agora é o tempo em que temos mais energia (apesar de termos tanto sono) para ser aplicada nos sonhos e projetos, agora é o tempo de ir pra cima, é um tempo de ascensão. Agora é o tempo de mudança, é um tempo de conversão. Quanto mais pra frente deixarmos, mais difícil vai ser de alcançar.

Estamos entrando em uma nova década, e em tempos de tantas retrôs fica aí uma reflexão: O que você quer ver na sua retrospectiva lá em 2030? Quais são os passos de santidade que você precisa trilhar para que na próxima virada de década sua vida esteja mais reta?

Muito se fala da nossa geração, que somos uma geração de mimimi, que somos fracos e que não aguentamos nada, como nossos pais e avós aguentaram… E quer saber? Eu concordo com o que falam! Nós temos sido isso.

 

A Boa é ser forte!

A gente ficou mole, porque no Instagram, no Facebook (ou seja lá qual for a rede social que você usa) só aparece a parte moleza da vida, ou seja, foto na praia, no sofá, no cinema, curtindo… E a vida real não é assim, acho que 2019 foi duro com todo mundo e mostrou bem que a vida real é acordar cedo e dormir tarde, é problema, é dificuldade, lógico que com prazer e alegria no meio disso, mas com muita ralação para cada conquista.

E todo esse sofrimento tem sentido. Na verdade, ele santifica, tá ligado? Aprender a sofrer faz com que a gente seja mais forte e menos resmungão, lembra que Jesus carregou a Cruz (pesada) sem falar nada? Pô, é isso, o sofrimento é a cruz de cada dia que Ele pediu pra gente carregar. E se ele pediu, vamo nessa!

 

A Boa é ser casto!

Outra barra que temos que segurar (além da barra que é gostar de você) é nossa sexualidade. Mas sexo e sexualidade foram tão mistificados pelo pessoal que vai na Igreja que não se pode nem falar sobre, como é que a gente vai viver de uma forma pura?

Todo mundo tem desejo, se não tem é porque está com algum problema e precisa de auxílio médico. Se Deus nos quisesse sem desejo sexual, ele nos tinha feito anjo, que é só espírito… Moralismo para falar de sexo não cola mais, precisamos abrir a boca (com as pessoas certas) e mostrar do que nosso coração está cheio, tirar dúvidas, entender o porquê das “regras” para que o que de fato é impuro possa ser conduzido à purificação.

É assim que vamos ter uma sexualidade menos “dodói” e quem tem vocação ao matrimônio, vai chegar até lá preparado para viver um casamento casto, fazendo sexo e vivendo os tempos em que não se pode transar e quem tem vocação ao celibato vai aprender a conduzir seus impulsos sexuais para Deus e viver a continência, viver um santo celibato.

 

Qual a boa pra mim e para você?

Precisamos falar, precisamos calar, precisamos viver e andar com quem nos ajuda a crescer e ser santo. Dentro da CACL é justamente isso que eu tenho encontrado. Um lugar onde ser jovem é valorizado e direcionado para o ser adulto. Pra mim essa é a boa de 2020, me aprofundar nesse Carisma que me liberta e crescer como homem.

E pra você, qual é a boa nesse ano novo?

 

 

Ouça o 70xCast, o Podcast oficial da CACL

 

Assinatura: Danyel Cayetano, brother adotivo e discípulo de Jesus, crítico cultural renomado (por mim mesmo). Se for para bater uma bola, conversar, rezar, assistir algo, comer ou combinar alguns desses itens, pode me chamar que eu chego com os refri! #EuSouCultura

cristolibertador.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.