Formação, Palavra de Fundador

Hulk sim! Professor Hulk não!

By

O meu ultimato ultimamente tem sido esse! Hulk Sim, professor Hulk não!

Precisamos buscar o autoconhecimento, o equilíbrio, e principalmente sermos misericordiosos como o Pai. Porém, vale tudo pelo equilíbrio? O autoconhecimento pode mesmo nos ajudar no autocontrole e na vida de santidade? E ser misericordioso como o Pai, é ser permissivo com tudo, e passivo a ponto de deixar o mundo, literalmente cagar em sua cabeça?

Óbvio que vamos falar de Vingadores Ultimato, e aqui vai um alerta:  TEREMOS SPOILERS!

A história do Hulk

Bom sou apaixonado por filmes de super-heróis. E com o universo cinematográfico da Marvel fiquei ainda mais apaixonado. Calma que já estou trabalhando na terapia há bastante tempo a organização de papéis na minha vida, e ninguém mais, nenhum herói toma o lugar de Jesus em meu auditório, ele é o principal, o VIP dos VIPS, o dono das joias do infinito, aliás, mais ainda, Ele quem criou elas!

Veja meu testemunho em relação ao Batman: https://blog.cristolibertador.com/o-cavaleiro-das-trevas/

Se você não conhece a história do Hulk, segue um breve resumo:

Na história original dos quadrinhos, o Hulk é um selvagem e poderoso alter ego do Dr. Robert Bruce Banner, um cientista que foi atingido por raios gama enquanto salvava um adolescente durante o teste militar de uma bomba por ele desenvolvida.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Hulk

No universo cinematográfico o Dr. Bruce Banner em seu início de transmutação como Hulk, não consegue controlar a si mesmo, e passa a ser uma ameaça, pois ele destrói tudo e a todos que o irritam, ou que simplesmente cruzam seu caminho.

É algo descontrolado, desprovido de qualquer razão e autocontrole. Nada pára ele. Ele não pode nem ficar excitado perto de sua amada. Ou seja busca um isolamento total. E o pior, não sei se você sabe, mas quanto mais nervoso ele fica mais forte se torna, e mais irracional e, sendo assim, gera mais destruição. Para você ter ideia nos quadrinho o Hulk já segurou os escombros de um prédio sozinho, e chegou a mover uma montanha que o soterrava.

Conforme o enredo da Marvel foi sendo construído ao longo dos anos, e com a evolução psíquica e ética de cada personagem, o Hulk vai ganhando mais consciência de quem é, de sua força, e de quanta destruição ele gera. Quando está em seu estado humano normal, como cientista, ele faz de tudo para controlar seus batimentos cardíacos, e seu temperamento, de modo que só se transforme em Hulk quando há uma ameaça real e muito difícil de ser encarada.

Graças ao troglodita verde batalhas como a de New York e outras tantas são vencidas. Como diz o professor Joel, o bicho é bruto! Pra você ter ideia em “Thor – Ragnarock” o bichão dá uma surra no Thor, um Semi Deus.

Zoaram o Hulk

Todavia, em “Vingadores Guerra Infinita” o nosso herói toma um piau do Thanos, que estava em posse da joia do poder, e passa a não querer mais lutar. Ele fica com um misto de medo e rejeição, afinal conhecia a luta de Banner para controlá-lo. O pau quebrando e nada do Hulk, que se quisesse podia ajudar seus amigos a derrotar o Thanos rapidinho.

Chega o tão esperado “Vingadores 4 – Ultimato” e nos deparamos com o professor Hulk. Um personagem totalmente centrado, extremamente forte, mas avesso à violência e à luta. E de novo, ele pouco ajuda seus companheiros na guerra contra Thanos. Mal consegue estalar os dedos e fazer a galera que tinha virado pó voltar à vida. Ele fica de tipoia no fim do filme minha gente, muito zoado. Agora não há mais descontrole, e nem irracionalidade, mas e a força, a coragem?

Crise interna

Bom, a pergunta que venho me fazendo ultimamente é: até que ponto devo conter a impetuosidade própria de meu temperamento, para não me exceder com os irmãos? Que situações são aceitáveis? Quais são toleráveis? E quais são intoleráveis?

A resposta que o Espírito Santo vem me dando dia, após dia é: olhe para Jesus e seus santos.

Os santos e Jesus

Em primeiro lugar lembro de um texto que eu mesmo escrevi, que apresento alguns argumentos que nos revelam que os Santos não são frouxos! Leia ai: https://blog.cristolibertador.com/os-santos-nao-sao-frouxos/

Em resumo o padrão de santidade da Igreja católica não contém tibieza e passividade, mas sim impetuosidade e ousadia. Basta olhar para alguns exemplos clássicos como Santa Teresa D’Ávila, São Francisco, São Pio de Pietrelcina e por aí vai.

Só um adendo, impetuosidade não tem nada haver com irracionalidade e muito menos desobediência, insolência, insubordinação e arrogância. Isso até o Hulk menos evoluído sabe. Não meta o loko! Não houve santo que não estivesse debaixo da autoridade da Igreja.

Dos santos pulamos para O mestre. O cordeiro de Deus. Aliás, o Leão da Tribo de Judá, Jesus. E aqui já temos parte da resposta, afinal ele é cordeiro, mas também é leão! De Gênesis à Apocalipse esta imagem é atribuída a Jesus, pois é ele o rei que venceu, vence e sempre vencerá as forças do mal. Não há adversário a sua altura, ele está no topo da cadeia alimentar, é Deus e não tem conversa.

Não estou querendo justificar aqui ignorância, desrespeito e violência, espero que esteja claro isso, afinal essas praticas não são compatíveis com o evangelho. Mas sim, se não houver a força e impetuosidade dos santos, concedido pelo Espirito Santo, não haverá santidade. E corre se o risco de você negar a sua própria natureza.

As respostas para a crise 

O autoconhecimento levou os santos a conhecerem ainda mais a Deus em si mesmos. Afinal, o Senhor escolheu morar em nós homens. O equilíbrio proposto pelo evangelho favorece a vida, contudo vida em sua totalidade, esta que vivemos hoje é só uma pequena parte.

Deus possui como um de seus principais atributos a misericórdia, porém é justo, forte, magnânimo, e intrépido. Aliás, é a somatória disso tudo, que expressa a sua misericórdia, o seu amor. Afinal ele é Amor. Equilíbrio que transforma atividade em passividade, não é equilíbrio, isso não é cristianismo.

A verdade é triste 

Hoje em minha aula de Apocalipse o professor, Padre Gilvan, nos incomodava afirmando que no Brasil não existem cristãos reais. Apenas bajuladores de Cristo. Porque cristianismo é incompatível com tibieza, miséria, corrupção, passividade. Ele falava que se fossemos uma sociedade cristã de fato, não viveríamos imersos nesse mar de lama, e muito menos ficaríamos sorrindo por isso.

Concluiu ele: “cristão que é cristão é provado na perseguição. E se tiver perseguição aqui, não sobra nem 3% de cristãos!”

Triste, mas é verdade. A racionalidade, o equilíbrio e o autoconhecimento precisam gerar a intrepidez da santidade pela via do amor. Mudança. Conversão. Luto, porque amo. Vivo, porque amo. Morro, porque amo. Assim foram os santos, assim é com Maria, assim é com Jesus.

Conclusão do Hulk

Mas e o Hulk? E o professor Hulk (zoado)? Eles são fracos perto de quem está aqui dentro só esperando que eu permita que Ele tome as rédeas da minha vida e controle tudo.

Voltando às questões do início:

R: Autoconhecimento é ótimo, desde que gere conhecimento de Deus e intimidade com Ele, já dizia Santo Agostinho.

R: Equilíbrio é ótimo se estiver gerando santidade. O sangue dos mártires é a semente dos cristãos, nos ensinou Tertuliano.

R: Ser misericordioso não é ser passivo. Deus desce de seu trono e não deixa ninguém avacalhar a parada. Ele age. É vivo. Vide Moisés, profetas e o próprio Jesus.

“Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o (Espírito) que está em vós do que o que está no mundo” (1Jo 4,4).

Ouça:

Leia mais sobre Vingadores: https://blog.cristolibertador.com/vingadores-ultimato-qual-a-finalidade-de-tudo/

Acesse outros textos de nosso Blog: https://blog.cristolibertador.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.