Blog, Formação, Palavra de Fundador

Desejo ardente

By

Dessiderium é o termo latino que dá origem à palavra desejo. A partícula “de” quando inicia um vocábulo remete a um movimento específico feito de cima para baixo, e “siderium” significa “estrela, astro, corpo celeste”.

Segundo alguns autores a palavra desejo, pode ter sido originada na antiguidade para descrever o movimento de estrelas cadentes. Daí a antiga tradição supersticiosa de se “desejar” algo muito importante quando se testemunha tal evento.

Fique em paz, não quero propagar a fé em estrelas cadentes, até porque como já dito, isso não é fé. Fé é confiar em alguém. E não rola confiar em nada que cai do céu. Nossa confiança está em Deus, e somente Nele, amém Igreja?

Desejo segundo a psicanálise

Mas voltando à etimologia de desejo, e somando ao conhecimento dos pais da psicanálise, Freud e Lacan, temos que desejo é o que dá “tônus” à nossa vida psíquica e a orientação a nossa existência. Alguns filósofos modernos definem o homem como “ser de desejo”.

É evidente também que não somos só isso. Somos muito mais do que isso. Somos seres espirituais, de liberdade, de vontade, de relação, psíquicos, biológicos, e por aí vai.

Mas, todavia, contudo, e, no entanto… o desejo é base constitutiva para nós. Em nossa formação humana, aprendemos que o desejo é o cavalo que tem força para mover a carruagem da vontade, sob orientação do cocheiro da racionalidade (inteligência).

Em resumo, uma vontade (faculdade de escolher e querer algo) sem desejo é fraca. Porém uma vontade dominada por um desejo é desastrosa. Não se pode inverter as coisas. Não é o cavalo que guia a carroça de nossas vidas, ele puxa, e não vou usar a partícula SÓ para diminuir a importância desta ação interior, porque é contra isso que temos que lutar hoje.

Uma vida sem desejo!

É só olhar para o lado que vamos testemunhar vidas apáticas, depressivas, sem esperança, sem desejo, sem tesão. Os casos de doenças psíquicas e suicídio crescem vertiginosamente na contemporaneidade.

Falta de desejo ordenado, excesso de desejo desordenado. Cavalos abatidos ou cavalos enlouquecidos. Desordem. Estrelas que caem como Lúcifer e seus anjos, e não que rasgam os céus no espetáculo natural de santidade sonhado por nosso criador.

Na esfera espiritual, uma vida sem desejo é uma vida dominada pelo demônio da acídia e por suas filhas malévolas.

Segundo São Tomás de Aquino, a acídia é o primeiro dos pecados capitais, a preguiça da busca espiritual, na busca do bem. A recusa em aceitar o esforço necessário para a união com Deus. Quando a pessoa fica acomodada e passa a deixar que os outros tomem todas as decisões morais e espirituais por elas. Tal atitude, fruto da falta de amor ao bem, resulta em danos diversos, como a tristeza, a perda de tempo e o desinteresse pela vida.

As filhas da acídia

São Tomás de Aquino determina sete características como filhas da acídia:

Pusilanimidade – covardia, falta de ânimo, falta de coragem para encarar o trabalho.

Divagação da mente – quando um homem abandona as questões espirituais e se instala nos prazeres exteriores, permanecendo com sua mente rondando assuntos do âmbito material.

Preguiça – sonolência – negligência, falta de vontade, fazer malfeito.

Torpor – não fazer o que deve ser feito, abandono da consciência.

Desespero – quando o homem considera que o objetivo visado se tornou impossível de ser alcançado, por quaisquer meios, gerando um abatimento que o domina.

Rancor – ressentimento contra aqueles que querem nos conduzir a caminhos mais elevados, o que acaba gerando agressividade. Está relacionado à Ira.

Malícia – desprezo pelos próprios bens espirituais, resultando em uma opção deliberada pelo mal. Está ligada diretamente ao materialismo e à Luxúria.

Vencendo a Acídia!

Olhando para as definições acima percebemos nitidamente que uma vida sem desejo não possui a força de um cavalo, e muito menos o encanto de uma estrela que corta os céus. Não se pede, não se almeja e nem se sonha com mais nada, só se quer que o mundo acabe em barranco para se morrer encostado.

É uma luta que envolve todas as áreas do ser, porém a esfera espiritual é o carro chefe. Para vencer este demônio maldito, é necessário entrar com força na batalha espiritual.

Ora et labora, lema dos beneditinos é um bom remédio para quem quer deixar de ser o trono deste infernal demônio. Movimentar-se física, psíquica e principalmente espiritualmente é fundamental. O Espírito de Deus, o Ruah é movimento e vai te ajudar a passar como um trator pela inércia da acídia.

O esforço na luta contra o pecado

Se proponha metas claras e objetivas. Primeiro a curto prazo e que exigem pequenos esforços, e depois vá aumentando os sonhos e a complexidade do que se deseja, fomos feitos para reconhecer limites, mas com a ajuda de Deus superá-los segundo a sua Santa vontade, não se renda!

Faça jejuns, penitências, mortificações, se imponha pequenos castigos como tomar banho de água fria caso ceda à preguiça. Lute com todas as suas forças. É guerra, e violenta, não se poupe, não se economize. O discurso humanista de que temos muitos direitos e poucos deveres é satânico e vai dividir você, te infantilizar, te enfraquecer. Repito é guerra, não vale tudo, mas vale o máximo possível, lute! Maior é o Espírito que está em nós, do que qualquer outro do mundo (Tg 4,4).

Ser de desejo ardente!

O fazer é o transbordamento do ser, se não fazemos nada, é sinal de que não somos nada ou estamos a caminho de ser nada. Se fazemos sem tesão, sem animo, nosso ser definhará, se deprimirá e morrerá. Voltando à figura do cavalo interior, ordene-o, adestre-o, mas não o castre. Com o destino ajustado e purificado pelo sangue do cordeiro, ponha este equino para correr. Galopar com força, com majestade e com altivez.

O Senhor Jesus sendo Deus, se fez homem por amor a nós. Encarnando-se humildemente se sacrificou por nós. E não foi de qualquer jeito, foi de maneira ardente, foi com Paixão. Amou-nos com força. Sendo homem desfigurado, se fez pão. Tinha todos os direitos, mas preferiu todos os deveres, por amor, apaixonado, com desejo, com tesão.

Meu irmão e minha irmã, o último e mais eficaz remédio de todos para se livrar da maldita acídia e desta vida medíocre que está levando é olhar fixamente para a cruz de nosso Senhor, para o monte calvário, lugar dos amantes, seja impactado por este amor e passe de barreira a canal, para que através do seu desejo ardente, o ardente desejo de Deus chegue a mais filhos necessitados.

“Deus não pode inspirar em mim desejos irrealizáveis” (Santa Teresinha).

 

LEIA MAIS:

Apaixonado ou idólatra? Eis a questão!

O cristão precisa ser militante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.