Quem é o Senhor do seu domingo?
Igreja, Somos Igreja

Quem é o Senhor do seu domingo?

By

Nós Católicos Apostólicos Romanos, sabemos e dizemos que o domingo é dia de missa! Mas é apenas isso? Quem é o Senhor do seu domingo?

A missa é sim o centro da nossa fé e ápice do nosso Domingo, no entanto, devemos lembrar que além de “dia de missa”, que em geral dura 1 hora, o domingo é O Dia do Senhor! 

Nesses últimos meses, após me deparar com o Documento Dies Domini, escrito pelo Santo Papa João Paulo II, e que, de forma superficial conheceremos nesse artigo, tenho me perguntado se realmente nós de fato entendemos o que significa “o dia do Senhor” e também quem de fato é “o senhor do nosso dia”.

LEIA O DOCUMENTO DIES DOMINI NA ÍNTEGRA

Para iniciar nossa reflexão, gostaria de apresentar-lhes esse riquíssimo documento, o Dies Domini (Dia do Senhor). O documento se desenvolve em 5 capítulos que (resumidamente), propõe as seguintes reflexões: 

DOCUMENTO DIES DOMINI

Cap I – Dies Domini

Nesse capítulo o sumo pontífice nos traz a reflexão a partir da criação, ou seja, do que encontramos no evangelho segundo São João 1, 3 “Tudo foi feito por meio dEle e sem Ele nada foi feito” do livro Gênesis 1 1-31 e 2, 1-4.

A partir do trecho do evangelho, percebemos que Jesus Cristo, estando desde sempre com o Pai na criação, ao manifestar-se homem traz uma nova perspectiva de criação, uma vida nova sem as manchas dos pecados antepassados.

A sequência do capítulo se dá com base na narrativa da criação do mundo e predileção de Deus pela criação do homem, submetendo tudo à sua governança, possibilitando-o decidir-se livremente pela santidade e, com sabedoria, conduzir toda a criação de volta à Deus, de maneira que tudo seja reflexo do criador.

Após a criação, no sétimo dia Deus descansou, pois havia percebido que tudo o que havia criado era muito bom, como encontramos em Gn 1, 31.

Deus se alegrou com o que havia criado e abençoou o sétimo dia, com isso, esse dia sagrado passa a ser o tempo reservado para que a obra criativa de Deus volte o seu olhar para o seu criador, encontrando ali uma grande oportunidade de repousar no colo do Pai, como destacada o documento:

“O dia do Senhor é, por excelência, o dia desta relação, no qual o homem eleva a Deus o seu canto, tornando-se eco da inteira criação”.

A partir da ressureição de Jesus, evento que marca definitivamente o “Dia do Senhor”, o que antes era celebrado ao Sábado, passa a ser celebrado no Domingo, nova perspectiva, nova criação, nova vida!

Cap II- Dies Christi – Dia de Cristo

O segundo capítulo refere-se ao Domingo como dia de celebrar a Pascoa do Senhor Jesus Cristo e o dom do Espírito Santo, pois foi também nesse dia, após cinquenta dias da Páscoa do Senhor, que o Espírito Santo se manifestou em Pentecostes aos discípulos como encontramos em At 2, 1.

Cap III- Dies Ecclesiae – Dia da Igreja

A celebração de Jesus Ressuscitado se dá em comunidade, por isso é importante que a comunidade se reúna para bem fazê-lo e, claramente, o dia do Senhor é a opção desejada para isso. Em perspectiva de celebração e reunião, trazemos também a Eucaristia celebrada em toda Santa Missa e, nesse caso, de forma especial, as celebrações dominicais, que a partir de toda essa perspectiva ganham um caráter e um peso todo especial.

Cap IV- Dies Hominis – Dia do Homem

Celebrar o domingo, o dia do Senhor, é dia de festa para a comunidade Cristã já que é quando o povo se reúne para encontrar o seu Senhor, o Senhor de todas as coisas, Aquele que trouxe pleno cumprimento à toda lei e costume, como as interpretações que haviam acerca do Sábado pela comunidade judaica.

Cap IV- Dies Dieron

Vivenciar o domingo é experimentar o tempo como dimensão eterna do Deus, princípio e fim, o dia em que a comunidade dá o grito de “Maranatha” – “vinde Senhor Jesus” –  e também oportunidade de ordenar a vida para bem viver todo o ano litúrgico, que possuí o seu ponto máximo com a celebração da Páscoa, a solenidade das solenidades. Depois, Pentecostes e em seguida o Natal do Senhor.

LEIA O DOCUMENTO DIES DOMINI NA ÍNTEGRA

O testemunho de um judeu

Ainda dentro da perspectiva reflexiva, tive a oportunidade de conhecer uma pessoa israelense em meu ambiente de trabalho, que vive com muita radicalidade o “Shabat”, regra original da cultura judaica que, como vimos acima, foi fonte de inspiração para o nosso Domingo.

Pois bem, o que me chamou atenção foi como essa pessoa organiza a sua vida em função dessa regra e ainda, de maneira indireta, faz com que todos os que estejam trabalhando com ela vivam igualmente esse preceito!

Nesse caso, o preceito começa sexta-feira no final da tarde até o sábado no início da noite. Para terem uma ideia, aos que não sabem, nem elevador, a pessoa que vive intensamente esse preceito pode pegar, sem contar o não manuseio de dinheiro, cartões de crédito e etc.

Esse testemunho me chamou atenção e me fez pensar, e eu, também vivo com radicalidade o dia mais sagrado da minha semana?

Somos tentados, nos apoiando no conceito de descanso, a usarmos o domingo exclusivamente ao nosso favor. E isso envolve muitas coisas que, pelo fato de sermos impactados violentamente por propagandas que nos propõe o consumismo, que nos propõe a preguiça, acabamos que, infelizmente sem perceber, nos misturando nessas realidades e quando vemos, pronto: quem assumiu o senhorio do meu domingo passou a ser o pecado e não o Senhor!

Já reparou como é mais difícil manter a sua rotina de oração no Domingo? Ou é só comigo esse problema?

Estratégias de mudança

Tenho pensado em algumas estratégias contra essa situação e que de certa forma pode ajudar a tornar o meu Domingo mais santo e o Senhor mais protagonista do mesmo.

São elas:

  • Será que ao invés de ir ao shopping ou a algum restaurante, estimulando a economia nesse dia, não seria melhor organizar um simples almoço em família? Se não sou a favor de trabalhar no domingo, não estimulo a economia nesse dia!
  • Será que não consigo me programar para fazer compras no Supermercado em todos os outros seis dias da semana?
  • Será que ao invés de passar o dia dormindo não posso sugerir um passeio no parque com minha família?
  • Não seria providencial estabelecer um horário fixo, além da missa, para me relacionar com Deus?

Enfim, não é algo fácil e nem simples, mas é preciso refletir:

Do que posso me livrar para que o Senhor seja o centro do meu Domingo?

Faça o seu exame de consciência e juntos vamos lutar para darmos o merecido protagonismo ao Senhor Jesus em nossos domingos!

Paz e Fogo

Rodrigo Fumagalli
Discípulo da CACL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

This error message is only visible to WordPress admins

Error: API requests are being delayed for this account. New posts will not be retrieved.

There may be an issue with the Instagram Access Token that you are using. Your server might also be unable to connect to Instagram at this time.

Error: No posts found.

Make sure this account has posts available on instagram.com.