Blog, Sede Fecundos - Pais e Filhos

Maternidade que sofre e intercede

By

Contemplando o quarto mistério doloroso do terço mariano “Jesus a caminho do Calvário e o encontro com sua mãe”, por alguns minutos parei no tempo e quando abri meus olhos para começar a dezena do terço, meus olhos fixaram na troca de olhares entre Jesus e Maria. 

 

Santo Afonso Maria de Ligório nos ensina: 

(…) Conferindo a qualidade de mãe, direitos especiais sobre os filhos, parece conveniente que Jesus, inocente e sem culpa própria merecedora de suplício, não fosse destinado à morte de Cruz sem que a Santíssima Virgem consentisse e o oferecesse espontaneamente a morrer.  Verdade é que Maria já dera o seu consentimento quando foi escolhida para Mãe do Redentor. Quis, porém, o Eterno Pai que ela o renovasse no tempo da Paixão, a fim de que, juntamente com o sacrífico da vida do Filho, fosse também sacrificado o coração de Maria (…).”

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo I: Desde o Primeiro Domingo do Advento até a Semana Santa Inclusive. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 372-374)

 

O sim custoso de Maria

Por este trecho podemos perceber que não foi fácil o “SIM” de Maria, ela sabia que desde o princípio que seu amado filho passaria por muitos sofrimentos tendo como fim a morte de Cruz.

Imagina isto para o coração de uma mãe? 

O Filho mais perfeito, com a mãe mais perfeita. Que encontro!!!!

Naquele momento com toda certeza passou um filme na sua cabeça: Jesus crescendo no seu ventre, o primeiro chute em sua barriga, o nascimento, o primeiro olhar, o primeiro beijo, os choros da madrugada, o primeiro sorriso, o primeiro dentinho, os primeiros passos….

Tudo, tudo até o atual momento, como ela sofreu durante toda a sua vida, sabendo que um dia seu filho passaria pela paixão e morte de Cruz. 

 

O amor de mãe

Como mãe, levadas por este amor louco, fazemos de tudo para que nossos filhos não sofram, não tenham frustrações, não sintam dor, não entristeçam.

E esquecemos que tudo isso faz parte do crescimento e amadurecimento do ser humano.

Maria revelou à Santa Brígida que um suor frio lhe corria pelo corpo, por causa do temor do doloroso espetáculo que se avizinhava, porém, ela não impediu o caminho que seu filho precisava percorrer. Ela entendeu desde o princípio que Ele tinha um caminho a trilhar diferente do seu. 

Mas ela, como mãe, precisava estar ali, ao lado, intercedendo para que seu filho amado fosse fiel até o fim, mesmo com o coração cheio de dor, em meio as lágrimas.

Maria fez o trajeto junto Dele, em silêncio, sabendo que a Crucificação estava próxima. 

 

Acompanhar e interceder

Como é difícil para nós mães deixarmos nossos filhos seguirem seus caminhos e colher o fruto das suas escolhas. 

É muito difícil ver um filho chorar e não poder estar perto para consolá-lo e pegar no colo. 

E até doloroso saber que as escolhas do seu filho são diferentes da sua, diferente de tudo aquilo que sonhamos para cada um deles, mas, mesmo assim, deixá-los partir….

 

O filho não é da mãe

A grandiosidade da maternidade está em entender que os filhos não são propriedades nossa, fomos agraciadas por Deus a dar a vida a um novo ser, alguém com dons, virtudes e vontades próprias.

E nós como mães precisamos estar ao lado de nossos filhos, mesmo não aceitando ou entendo suas escolhas. 

Nosso papel de mãe, é ser aquela que está ao lado, apoiando, incentivando e corrigindo quando necessário.

E acima de tudo, rezando, rezando muito por eles para que se cumpra não a nossa vontade, mas a vontade de Deus em suas vidas. 

Pedimos a intercessão de Maria sobre nossa maternidade para que como ela possamos “deixar” nossos filhos seguirem seus caminhos, assim, como ela fez com Jesus. E confiar nos cuidados de Deus sobre eles, entender que as dificuldades fazem parte da vida. 

 

O prêmio da maternidade

E no final de tudo, conquistar está cumplicidade que Jesus e Maria tiveram e apenas em um olhar poder dizer um ao outro: CONSEGUIMOS FILHO e ele responder: SIM, MÃE, CONSEGUIMOS!!

Que alegria, que momento! 

Então minha querida mãe, que possamos pedir a graça a Deus,  e assim a cada dia nos assemelharmos a Maria, através da oração, do silêncio e da renúncia. 

Nossos filhos são de Deus e é para Deus que devemos devolvê-los.

Sejamos santas, e tudo mais, nos será dado.

Deus abençoe! 

Leia mais:

Testemunho: Soberba, a ruína do matrimônio

Filhos, é necessário deixar partir!

Fabiana Santos – Discípula CACL 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.