É Fogo

Estupro

By

*Meditação acerca da temática do estupro.

Muito se fala, muito se vê

Muitos, quase que nem imaginamos a proporção

Qual a noção?

Qual a razão?

Para!

Chega dessa intenção!

A mulher não deve ser só objeto de objeção

Chora

Grita

Posta

Compartilha

A voz de muitos de nós, nessa selvageria

E mesmo assim, no seu ouvido pode escutar um:

“Vai, sua vadia”  

Não vou mentir: o medo chega arrepia!

Que agonia!

Quem me protegeria?

Cadê Deus? Meu pai? Minha família?

Nesse momento, silêncio.

Respira!

Vítimas de escolhas, livres para escolher.

Homem bom ou mal, tem o direito de escolher.

A culpa? Mérito difícil.

Ainda não aprendemos a usar o nosso livre arbítrio

Não encontro desculpas, nem justificativas.

Nada explica.

Eu sei, e sem explicação, nem justificação, acontece mais uma violentação.

Gostaria que o fim viesse em forma de canção, cantando o estupro e a libertação.

Mas de verdade, não vejo um fim próximo.

O começo foi bem antes

Como tratar algo como Sagrado em um mundo onde não se é amado?

Nem sempre o nosso pai poderá nos ajudar.

Nossa família irá cuidar.

Mas Deus, nunca irá mudar.

Você, mulher

Ele, homem.

Você, sagrada.

Ele, O Sagrado.

Você, amada.

Ele, O Amado.

Mesmo que um dia abusada, nada muda, és agraciada.

Não foi quem te abusou que te criou, muito menos que te amou.

Foi Deus quem te criou e, independente do que aconteça, és Sagrada.

Terra Sagrada, Mulher Sagrada

Viva bem cuidada

Se preciso, acompanhada

Preservada

Pode ser que isso não mude (triste), mas Deus nunca mudará!

E se Ele não mudará, pra sempre seremos Sagradas.

O que falar do estupro?

A ideia não era fazer poesia

Apenas o olhar de uma mulher em tudo isso que está acontecendo esses dias

Três meninas foram abusadas sexualmente na estação Vila Mariana e Ana Rosa, duas voltavam da faculdade. Em meio a tudo isso, li e vi muitos posts na internet sobre o assunto, apesar de concordar com a maioria, no fundo do meu coração algo me dizia: “Tá, mas falta alguma coisa”.

Refleti, rezei e pensei, e assim, algo transbordou em meu coração.

Luzia                                                                                                                            

O estupro não é de hoje, conhece Luzia? Um mulher que viveu por volta de 1700 anos atrás, anos passaram, mas a realidade não passou.

Luzia era mulher, uma mulher que fez um voto de castidade com Deus. Uma mulher bonita, e que sem entender e ver o quanto era sagrada, alguns homens lhe buscaram para levá-la a um prostíbulo da época, onde seria estuprada por muitos homens.

Por mais que os homens que a rodeavam não reconheciam, Luzia tinha a certeza do quanto era sagrada e disse “O corpo se contamina se a alma consente”. Em sua alma, uma certeza: a de que era sagrada e que isso ninguém mudaria. Dessa forma falou que os homens poderiam levá-la e nesse momento o milagre aconteceu. Soldados tentaram levantar Luzia do chão e não tinham força suficiente para movê-la de tão pesada que se tornou.

Foi assim, que de Luzia, temos a nossa Santa Luzia.

Mulher Sagrada

Estupro ainda acontece e nós ainda somos SAGRADAS. 1700 anos se passaram, mas algumas coisas não mudaram.

De toda a criação, as mulheres possuem algo especial, que chama à atenção. Não é à toa que apenas ao andar na rua, a sua presença chama muito mais atenção que a presença masculina. Algo que não é palpável; está ligado à essência, ao mais íntimo do ser, como o núcleo da terra.

Criadas de uma terra sagrada de forma que é fértil, capaz de um dom espetacular, o de gerar!

Sagrada em sua natureza e essência. Quando entendemos o verdadeiro valor, só ele já basta! Para quê participar de algum movimento feminista, de alguma ideologia, ou o que quer que seja, se eu já sei o quão sagrada sou?

Sabendo o quão Sagrada sou, não uso qualquer roupa, não saio pra qualquer lugar, não ando sozinha em qualquer hora. Falta de liberdade? Não! Pelo contrário, assumindo em si a verdadeira liberdade.

Cuido como algo valioso, que não pode ser roubado, desprezado, perdido, mal cuidado.

Quando falam “não usa tal roupa por precaução”, por mais que não justifique, pois nada justifica, há uma gratidão: estão cuidando e olhando o quão Sagrada sou.

Se está em sua essência pura não é machismo, é reconhecimento!

Você que já fui abusada

Se você um dia já sofreu algum abuso sexual, quando você foi criada isso não foi sonhado para você, não existia isso para sua essência. Então, volte! Volte em sua criação e aí encontre uma restituição.

O abuso não faz de você menos sagrada, o mundo não pode mudar isso em você, pois não foi o mundo que colocou isso em você. Por mais que não te trataram como tal, você nasceu como sagrada para viver como tal.

Infelizmente há pessoas que não reconhecem e não cuidam disso.

Se preciso, busque a cura! Se desejar posso te indicar psicólogos ótimos que conheço, ou se quiser conversar, ou até mesmo que oremos juntas, me manda um e-mail: [email protected]

Juntas somos mais fortes! Juntas em oração, mulheres Sagradas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.