Eu Sou Cultura

Partiu Pedras?

By

Esse blog tem como objetivo encontrar no mundo artístico os valores do Cristo, mas o post de hoje vai ser um pouco diferente, falando de outra arte, a melhor obra de arte: A natureza, que é obra do Criador. Partiu pedras?

Estive em Caraguatatuba (litoral norte de São Paulo) semana passada e em certo momento decidi buscar a solidão e o silêncio ao caminhar sozinho pela praia.

Foi um momento bem interessante que me trouxe algumas reflexões, principalmente sobre persistência na busca pela santidade e por isso, gostaria de compartilhar essa experiência com vocês.

Cheguei na areia e decidi caminhar até as pedras no canto da praia. A princípio parecia fácil e perto, mas percebi que estava enganado. O mesmo acontece com a nossa vida de santidade: em certos momentos pode até parecer que será fácil alcançá-la, mas se eu não me preparo, eu paro nas dificuldades que vem a seguir.

O terreno é difícil: não desistir

O terreno dessa praia era inclinado e eu decidi andar próximo ao mar. Conforme eu dava passos, meus pés afundavam na areia. Com isso, eu tinha que fazer o esforço de caminhar e percorrer um longo percurso num terreno difícil e inclinado.

O peso do meu corpo foi me cansando e por vezes eu tive que parar antes de continuar seguindo. E não há problemas em pararmos de vez em quando para respirar. Parar não significa retroceder ou enfraquecer, mas sim dar tempo a Deus para tratar situações específicas.

O terreno da santidade é exatamente esse: longo e difícil, porque ele é trilhado dentro do nosso coração duro, mas todos são capazes de trilhar esse caminho, principalmente quando têm a humildade de parar e reconhecer as próprias fraquezas, para que descansando no Senhor, possamos seguir em frente logo depois.

Tentação: Voltar

Mas existe um perigo nesse caminho: quando eu estava caminhando, cansado e percebia que as pedras (meu objetivo) ainda estavam longe, surgia em mim a vontade de sentar no ponto em que estava, esperar um pouco e voltar. Tudo isso iludido pela ideia de o caminho do retrocesso ser mais fácil.

Quando percebo que estou longe de ser santo (meu objetivo), posso me sentir cansado, pode bater um desanimo, posso me lembrar como a vida de pecado era mais fácil e querer voltar. Por isso é preciso descansar, mas permanecer e com isso vencer essas tentações.

Olhar para trás

Isso aconteceu também, porque em diversos momentos eu olhava para trás e via como estava ficando distante do meu ponto de partida. Estar mais distante do ponto de partida significa estar longe dos confortos da casa, da ducha, da cama, da comida etc. As vezes não queremos voltar até a vida de pecado, mas até coisas que o Senhor pediu e entregamos.

O problema é que cada passo que damos para trás parece nos levar ao próximo.

Temos a oportunidade de seguir dois caminhos ao olharmos para trás: ou desejamos voltar ou percebemos o quanto já caminhamos e nos animamos para caminhar ainda mais. Só alcançaremos o objetivo se optarmos pela segunda opção.

Recompensas

O caminho pode ser complicado, mas as recompensas são incomparáveis. Quando já tinha andado bastante, mas ainda não tinha chego, tive a minha primeira recompensa, vi um siri.

Pode parecer bobagem, mas aquele simples crustáceo era uma pequena recompensa, bem como durante a caminhada de fé nós somos agraciados por Deus com algumas “recompensas” que revigoram o animo e a vontade de caminhar.

Enfim, então cheguei às pedras, me sentei e fiquei admirando a paisagem, a maior recompensa que essa jornada me trouxe! Vi lá longe um barquinho pescando e atrás dele vários pássaros, vi como o mar não se cansa de se chocar contra as pedras e que é por sua persistência que ele consegue vencê-las através dos séculos.

Quando achei que aquilo era tudo, fui mais uma vez surpreendido: uma tartaruga apareceu no mar, não muito longe, ficou um tempo, “me deu um oi” e foi embora. Um momento simples, porém, único e muito significante. Isso tudo me trouxe a certeza de que valeu a pena cada passo dado.

Se ver uma tartaruga faz valer a pena caminhar, quanto mais (muito mais mesmo) contemplar o Senhor faz valer a pena cada passo. O terreno pode ser difícil, o coração pode ser duro, a vida pode ser custosa, mas a recompensa dos santos vale tudo isso e muito mais, vale cada gota de sangue e suor, vale a vida. Faz valer ter vivido a vida.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.