Eu Sou Cultura, Palavra de Fundador

Silêncio

By

Bom hoje gostaria de partilhar com vocês sobre o filme “Silêncio”, e sobre o engano, a mentira que ele propaga com sua “piedosa” reflexão sobre o sofrimento alheio.

Resumo do Filme

O filme começa com um prólogo do jovem padre jesuíta português Cristóvão Ferreira, testemunhando a tortura mortal de cinco missionários. O padre é desamparado na presença de autoridades japonesas que realizam a tortura para tentar ajudar seus colegas de qualquer forma.

Alguns anos depois, no St. Paul’s College, em Macau , um padre jesuíta italiano, Alessandro Valignano , recebe a notícia de que Ferreira renunciou à sua fé no Japão depois de ter sido torturado. Incrédulos, os alunos portugueses de Ferreira, os padres jesuítas Sebastião Rodrigues e Francisco Garupe, partiram em busca dele. Kichijiro, um pescador alcoólatra que fugiu do Japão para se salvar, concorda em guiá-los.

Chegando ao Japão na aldeia de Tomogi, os padres estão desalentados ao encontrar populações cristãs locais que são levadas à clandestinidade. Ambos os padres ficam chocados quando um samurai que procura por cristãos suspeitos, a quem os aldeões chamam de “Inquisidor”, prende alguns dos aldeões a cruzes de madeira na costa do oceano, onde a maré finalmente os afoga. Os corpos são então cremados em uma pira funerária que os sacerdotes entendem que é feito para impedir um enterro cristão. Garupe parte para a ilha de Hirado , acreditando que é a sua presença que leva o shōgunate a aterrorizar a aldeia. Rodrigues vai para Gotō Island , o último lugar onde Ferreira viveu, e encontra-se destruído. Vagando por Gotō, ele se debate se é autocentrado se recusar a se retratar quando isso vai acabar com o sofrimento dos outros. Ele finalmente se reúne com Kichijiro, que o trai para as mãos do samurai. Um velho samurai, que antes acompanhara o “Inquisidor” para Tomogi, diz a Rodrigues que outros cristãos capturados sofrerão, a menos que ele renuncie à sua fé.

Rodrigues é levado para Nagasaki, onde é preso com muitos japoneses convertidos. Em um tribunal, ele é informado de que a doutrina católica é um anátema para o Japão. Rodrigues pede para ver o governador Inoue Masashige, que ele descobre, para seu desalento, é o velho sentado diante dele encarregado do processo. Rodrigues é devolvido à prisão, e Kichijiro logo chega a ser preso também. Ele explica a Rodrigues que os funcionários da corte o ameaçaram para trair Rodrigues. Kichijiro então diz que é cristão e pede para ser absolvido de sua traição por meio de uma confissão, que Rodrigues relutantemente lhe concede. Mais tarde, ele é libertado após ser instruído a pisar em um fumi-e , um ato que simboliza a rejeição da fé. Mais tarde, Rodrigues é trazido sob guarda para a costa para aguardar alguém. Ao longe, ele testemunha Garupe e outros três prisioneiros se aproximando na costa sob guarda separada. Ainda à distância, os outros três prisioneiros são levados para o mar em um pequeno barco e estão prestes a se afogar do barco um a um como um incentivo para que Garupe renuncie à sua fé. Rodrigues é contido pelos guardas em terra enquanto observa Garupe se recusar a apostatar. Ele então vê o desesperado Garupe afogado ao lado dos outros três prisioneiros quando ele tenta nadar no mar tentando resgatar o último prisioneiro de se afogar.

Depois de algum tempo, Rodrigues é levado a conhecer um Ferreira mais velho. Ferreira diz que cometeu apostasia enquanto era torturado, e afirma que depois de 15 anos no país e um ano no templo, ele acredita que o cristianismo é fútil no Japão. Rodrigues repudia, mas Ferreira é implacável. Naquela noite, na cela de sua prisão, Rodrigues ouve cinco prisioneiros cristãos sendo torturados. Ferreira diz que eles já apostataram; é a apostasia de Rodrigues a demanda japonesa para ceder e libertar os prisioneiros. Como Rodrigues olha para um fumi-e, ele ouve uma voz interior de Cristo dando-lhe permissão para pisar nele, e ele faz.

Anos depois, após a morte de Ferreira, Kichijiro pede a Rodrigues para absolvê-lo novamente, mas Rodrigues se recusa desta vez, dizendo que não é mais padre. Durante essa cena, a voz interior de Cristo é ouvida novamente, dizendo que Ele nunca esteve em silêncio. Rodrigues diz que, mesmo que Deus estivesse em silêncio, foi nesse silêncio que ele ouviu a sua voz. Alguns anos depois, Kichijiro é pego com uma bolsa que ele afirma ter ganhado enquanto joga, que contém um amuleto religioso proibido que ele nega pertencer a ele. Ele é levado e nunca mais ouviu falar.

Depois de muitos anos de vida no Japão com uma esposa local e sem o menor sinal de adoração cristã, Rodrigues morre. Ele é colocado em um grande caixão redondo de madeira, e seu corpo é cremado, conforme a tradição budista , bem como, postumamente, é dado um nome budista . No entanto, na mão dele está o crucifixo minuciosamente feito que foi dado a ele quando ele veio ao Japão pela primeira vez.

Fonte: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Sil%C3%AAncio_(filme)

A onde está o engano?

O engano nos é apresentado quando o padre  Rodrigues, após muito tempo sustentando a sua fé, se dobra aos torturadores e nega Jesus Cristo, para que então, os torturados sejam libertos. E o pior, tudo isso sendo ratificado pelo próprio Cristo, que através de uma voz em sua consciência o autoriza a O negar.

Esta situação causa um desconforto gigantesco em quem assiste o filme, e de imediato, por mais que você seja alguém firme na sã doutrina da Salvação apresentada pela Igreja Católica, é bombardeado por questionamentos interiores.

Até que ponto devo sustentar a verdade de fé que professo? Sobretudo quando o sofrimento é real, e não é meu, mas sim do outro, que aparentemente está sofrendo por culpa das minhas convicções. E pior, será que Cristo deseja que os irmãos sofram por uma simples sentença de fé? Será que para salvar a vida alheia não vale uma mentira, neste caso?

Mentira, confusão e dúvida são semeadura de Satanás.

Não é fácil sair deste engodo. Afinal, ninguém gosta de sofrer, e muito menos de fazer sofrer, e menos ainda ver Cristo fazendo alguém sofrer, isto, obviamente se você é normal psicologicamente falando e não um sádico.

A confusão está em não julgar bem a realidade dos fatos e argumentos apresentados. No filme, a culpa do sofrimento não é do padre Rodrigues e de sua fé, mas sim do governo japonês que deseja, pela violência, erradicar a fé católica de seu Império. Eles eram os culpados. Mas Satanás, o acusador mentiroso, faz eu e você crermos que somos a fonte do sofrimento e da dor.

Se não bastasse isso, ele (Satanás) nos faz crer que aquelas pessoas estão morrendo por culpa de Jesus, e que Cristo autoriza a negativa de Si, para que então haja vida. Aí eu te pergunto:

Onde fica a história de quem perder sua vida por causa de Cristo irá ganhá-la (Mc 8,35)? E a ideia cristã de imortalidade da alma? E de que a vida, para nós cristãos, não se resume a esta experiência material, mas vai além dela? E a salvação que Cristo pagou a um alto preço, por cada um de nós? E o que São Paulo escreve aos Colossensses, de que ele desejava completar a cruz de Cristo com seu sofrimento (Col 1,24)? E os santos e mártires mortos por amor a Cristo e o evangelho? Eles morreram inutilmente? Porque Cristo não os liberou para negá-lo, se isto os traria vida?

A sutileza de Satã para impedir a Salvação

Imagino que para bom entendedor o recado já deva estar claro. O que está em jogo e em discussão no filme não é o sofrimento alheio. Óbvio que Jesus não quer que seus filhos sofram, mas o que Ele deseja mesmo com toda sua força, sangue e água jorrados na cruz, é que sejamos salvos. Entre não sofrer ou ser salvo, é claro que a escolha deve ser a salvação.

Os evangelhos canônicos, a doutrina católica e o magistério nos ensinam, que a Salvação é graça, porém ela exige de nós uma resposta de fé verdadeira, concreta, interna e externa, íntegra, porque a Verdade para nós não é uma palavra, um conceito, um simples valor, ela é uma Pessoa, Jesus Cristo.

A salvação é única e exclusivamente uma iniciativa de Cristo, Ele nos salvou e nos salva. Os santos não salvam ninguém com seus sacrifícios. Eles apenas respondem sim, se configurando até a morte ao Senhor. Como então uma negativa poderia salvar alguém? É satânico crer que o padre apóstata salvou alguém com sua atitude. Ele garantiu algum tempo a mais nesta vida. Mas e a salvação? E a alma? E a vida eterna?

O sangue dos mártires é a semente dos cristãos (Tertuliano)

Se o padre Jesuíta tivesse sustentado sua fé, ele garantiria sua salvação, e ainda daria chance, pelo seu testemunho, para aqueles japoneses se arrependerem no último instante, e assim recobrarem vossa fé, garantindo assim a salvação para si também.

Como nos ensina São Tiago:

“[…] saiba que aquele que reconduzir o pecador desencaminhado salvará sua alma da morte e cobrirá uma multidão de pecados” (Tg 5,20).

Os santos mártires de nossa Igreja são lembrados até hoje, e o seu testemunho fomenta inúmeras conversões e a santificação de muitas outras almas. Já a negação do padre do filme não inspira ninguém, apenas desmerece o sacrifício de Cristo na cruz e gera um relaxamento moral e testemunhal em um mundo cada vez mais cético e frívolo.

“Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo” (Rm 10,9).

Com salvação não se brinca

Eu já dei meu testemunho aqui sobre como fui enganado pela trilogia “Batman – Cavaleiro das Trevas”, lembra:

https://blog.cristolibertador.com/o-cavaleiro-das-trevas/

Pois bem, cuidado, tudo o que o Capiroto não quer é a sua e a minha salvação. Contra Deus ele não pode nada. Não há disputa entre Deus e o diabo. Um é Deus, o outro é criatura. Agora pela minha e pela sua alma, existe uma disputa ferrenha, e como em um jogo de xadrez, qualquer movimentação displicente pode gerar um xeque mate.

No caso de nossa vida, temos a certeza de que esta carne é perecível, porém devemos temer aquele que pode destruir a nossa alma. E é claro que o coisa ruim não virá a nós de rabo, vermelho e com um par de chifres. Virá travestido de anjo de luz (Lucifer).

Com um filme legalzinho e piedosinho. Com uma musica bacana que distorce só um pouco a verdade. Um conceito misericordioso que negue a justiça, e por aí vai.

Nós nos transformamos naquilo que consumimos, já diria o sábio poeta (ou alguém iluminado por aí). Portanto, cuidado com o que anda te alimentando, e o que está sendo alimentado dentro de ti.

“Jesus lhes disse: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede” (Jo 6,35).

Leia sobre Escuta: https://blog.cristolibertador.com/quem-escuta-pode-obedecer-quem-obedece-conseguiu-escutar/

Acesse mais textos de nosso Fundador: https://blog.cristolibertador.com/tag/palavra-de-fundador/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

This error message is only visible to WordPress admins

Error: API requests are being delayed for this account. New posts will not be retrieved.

There may be an issue with the Instagram Access Token that you are using. Your server might also be unable to connect to Instagram at this time.

Error: No posts found.

Make sure this account has posts available on instagram.com.